sábado, setembro 03, 2005

Carlos de Oliveira - quando as palavras levitam

Poiso a mão vagarosa no capô dos carros como se afagasse a crina dum cavalo. Vêm mortos de sede. Julgo que se perderam no deserto e os seu destino é apenas terem pressa. Neste emprego, ouço o ruído da engrenagem, o suave movimento do mundo a acelerar-se pouco a pouco. Quem sou eu, no entanto, que balança tenho para pesar sem erro a minha vida e os sonhos de quem passa?
Carlos de Oliveira, "Posto de Gasolina", Sobre o lado esquerdo

6 comentários:

PSP Blog disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Sarah disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Blogging Blogging Queen disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Greg Liddle disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Stacey disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
uk horse racing betting disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.